Para quem quer o mundo

06/12/2018

Por Heloisa Tambosi | Idealizadora e criadora da metodologia Language in Life e fundadora da Escola

 

Para mim, a Language in Life é muito mais do que uma escola ou do que uma metodologia: é um sonho e, ao mesmo tempo, uma missão. Tudo começou quando eu tinha 13 anos e, sem ter claramente um objetivo ou uma razão, ingressei em um curso de inglês. Passei até a gostar de estudar o idioma. Só não posso dizer que amava porque, simplesmente, a metodologia empregada pela escola que eu frequentava era muito pouco atrativa ou apropriada para a minha idade. Mas mesmo com aulas assim, que não me pareciam fazer muito sentido, o inglês já havia impactado de tal forma a minha vida que, na hora de escolher em qual faculdade ingressar, não tive dúvidas: decidi por Letras Inglês.

Em 1995, comecei a dar aulas. Foi quando descobri que tinha acertado na escolha da profissão, que ensinar inglês era o que realmente eu queria fazer, que amava lecionar, especialmente para crianças.

Já nesses primeiros anos como profissional de uma escola pública, eu criava minhas aulas sempre buscando novas possibilidades. Queria transcender o livro didático, inventar atividades teatrais, misturar arte com jogos, transformar as aulas em algo mais dinâmico, lúdico, atrativo e, especialmente, deixá-las menos distantes das coisas que as crianças realmente gostam de fazer. E foi trabalhando em diferentes escolas, adquirindo experiência no ensino infantil, que desenvolvi um método de ensino de inglês mais próximo do universo da garotada.

Foi em São Paulo, onde a mobilidade é um grande problema e o deslocamento de crianças pode ser outro, que percebi a irrelevância de uma estrutura física para o ensino de inglês e que, ao invés de os alunos terem que ir à escola, esta é que deveria ir aos alunos.  Como os condomínios, onde a maioria dos meus potenciais alunos viviam, ofereciam toda a infraestrutura necessária,  a ideia que me surgiu foi “a escola é que vai até a sua casa”.

Mesmo porque eu não imaginava crianças sentadas em cadeiras, tendo aulas-padrão. O que eu desejava era que meus alunos vivessem o inglês, queria trazer o idioma para o dia a dia deles. E foi assim que, em 2006, a Language in Life nasceu em Higienópolis, com aulas para grupos de crianças nos seus condomínios, sempre com a filosofia bem clara: trabalhar de forma estritamente personalizada, de acordo com os interesses e objetivos que cada aluno e sua família têm para com o inglês.

E o negócio deu certo! A metodologia lúdica de ensino de idiomas que criei funcionou bem, tanto que expandi sua aplicação para as escolas regulares e, atualmente, 20 estabelecimentos parceiros utilizam o método Language in Life.

Passados 12 anos, ainda tenho a mesma alegria de dar aulas, de todos os dias experimentar técnicas diferentes, de ver os alunos aprendendo e querendo mais, e, especialmente, de assistir o impacto que o inglês causa na vida dessas pessoas.

De vez em quando, me vejo pensando nas muitas pessoas que, hoje, trabalham comigo na Language in Life, penso nos alunos que estamos vendo crescer com o inglês e me orgulho do tudo que desenvolvemos e aprendemos juntos. Penso também que ainda há muito por vir: quero levar o meu método de ensino – diferente, pioneiro e interativo – para muitos lugares.

Porque a missão da Language in Life é desenvolver em seus alunos o ouvir, o pensar e o falar em inglês, para que eles possam expressar seus conceitos e formar suas opiniões neste idioma, o que amplia em muito o poder das suas ideias.

Afinal, a Language in Life é para quem quer o mundo.

 

Crianças aprendendo inglês na primeira infância: o que os pais podem esperar – por Heloísa Tambosi